quinta-feira, 21 de maio de 2015

Batalhando Pela Fé Nos Últimos Dias


Por mais que se tente enfatizar, não é possível supervalorizar a importância da profecia do Sermão do Monte das Oliveiras. Além de ter sido o próprio Senhor Jesus que a transmitiu, o fato de ela ter sido mencionada detalhadamente nos três primeiros Evangelhos e não no Evangelho do apóstolo João é digno de nota. Os discípulos que insistiram para que o Senhor respondesse suas duas perguntas já haviam sido levados para o céu pelo menos cinqüenta anos antes que João escrevesse o Evangelho que leva seu nome. Eles perguntaram: “Dize-nos quando sucederão estas coisas e que sinal haverá da tua vinda e da consumação do século” (Mt 24.3). Jesus, que conhece o final desde o início, respondeu:“Aprendei, pois, a parábola da figueira” (Mt 24.32). Sobre isto já apontei, com base em três profetas do Antigo Testamento, que “a figueira”, quando usada simbolicamente, significa a nação de Israel. Obviamente, então, o sinal da volta do Senhor para arrebatar Sua igreja seria o ajuntamento de Israel de todas as partes do mundo para sua Terra Santa, terra que lhe foi divinamente designada. A pergunta foi respondida.
Isso não seria um acontecimento único, como alguns pensaram que seria quando da Primeira Guerra Mundial, mas um processo de acontecimentos que levaram àquela guerra e a outras guerras subseqüentes, inclusive o reconhecimento de Israel pelo mundo como uma nação soberana em 1948, e até ao dia de hoje, mesmo em “tempos difíceis”. Na verdade, o gráfico de profecias em que posso confiar mais intensamente, dentre o arsenal de gráficos bíblicos sobre eventos futuros que tenho, baseia-se no Sermão do Monte das Oliveiras, o qual considero o esboço de profecias mais importante de toda a Escritura. A própria existência de Israel nos tempos atuais já é um milagre notável. Que eles tenham sobrevivido ao incrível ódio dos muçulmanos radicais simplesmente por causa de sua presença e que tenham sido livrados de inimigos tão poderosos, que tentaram destruí-los pelo menos por cinco vezes, são verdadeiramente outros milagres.
A própria existência de Israel nos tempos atuais já é um milagre notável.
O que quero analisar aqui é a fantástica admoestação que Jesus fez aos discípulos e a nós na introdução dessa maravilhosa profecia sobre os Últimos Dias. “Vede que ninguém vos engane. Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos”. De fato, Jesus não foi o único que advertiu que o engano satânico surgiria próximo da época em que Ele deveria retornar. Alguns, nos primeiros tempos do cristianismo, eram ativos em enganar os outros – os discípulos Pedro e Paulo, em várias ocasiões, João e também Judas, em seu pequeno livro, fizeram as mesmas advertências. Pois, como Pedro e Tiago disseram, “o diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar”. Fica claro, através da Bíblia, que Satanás está ativo no engano; isto é, o que ele faz é enganar as pessoas sobre quem foi Jesus Cristo e sobre o que Ele fez, e tal engano irá aumentar nos tempos do fim, sendo um dos sinais do Final dos Tempos.
Foi Judas, o servo de Jesus Cristo [por amor] e irmão de Tiago, o que significa que ele era meio-irmão do Senhor Jesus, quem disse aos cristãos de todos os tempos e especialmente para aqueles que estivessem vivendo nos últimos dias:
Amados, quando empregava toda diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes diligentemente pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos. Pois, certos indivíduos se introduziram com dissimulação, os quais, desde muito, foram antecipadamente pronunciados para esta condenação, homens ímpios, que transformam em libertinagem a graça de nosso Deus, e negam o nosso único Soberano e Senhor, Jesus Cristo. Quero, pois, lembrar-vos, embora já estejais cientes de tudo de uma vez por todas, que o Senhor, tendo libertado um povo tirando-o da terra do Egito, destruiu, depois, os que não creram” (Jd 3-5).
Não devemos nos tornar litigiosos na fé, mas devemos batalhar pela fé
Este, que se autodenominou “servo de Jesus Cristo” [por amor], cheio do Espírito Santo, enviou uma mensagem especial aos cristãos de todas as épocas, mas particularmente a nós, que temos todos os motivos, baseados na profecia bíblica, para crer que podemos ser o povo que está vivendo imediatamente antes dos Últimos Dias. Podemos tomar essa admoestação para nossa geração de cristãos: “Senti-me obrigado a exortar-vos a batalhardes diligentemente pela fé”. Este é o objetivo que deveríamos ter nestes dias: batalharmos pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos. O Dr. Ironsides, da renomada Igreja Moody em Chicago, costumava dizer: “Não devemos nos tornar litigiosos na fé, mas devemos batalhar pela fé”.
Você acredita que essa exortação foi dada antes do final do primeiro século do cristianismo? Minha leitura sobre a história da igreja primitiva revela que Satanás havia começado, mesmo antes da morte do apóstolo João, com mais de 90 anos de idade, a heresia pagã do gnosticismo, que ensina que Jesus não era um homem no sentido literal da palavra. “Ele era um homem-espírito”. No livro que escrevi juntamente com Jerry Jenkins,John’s Story: The Last Eye Witness [A História de João: A Última Testemunha Ocular], contamos a verdadeira história de João e um de seus jovens alunos. Eles ouviram a voz, em alto som, de um pregador de rua gnóstico do século I anunciando na praça da cidade que Jesus de Nazaré não havia feito os milagres que Seus discípulos falavam que Ele tinha realizado, nem havia restaurado a vista aos cegos, nem ressuscitado mortos. Isto encheu de ira o idoso apóstolo de tal maneira que ele enfrentou esse servo de Satanás, gritando para ele na praça e dizendo que ele estava errado. João, o apóstolo, estava lá e viu Jesus curar leprosos, ressuscitar mortos, e ele, pessoalmente, viu Sua sepultura vazia no terceiro dia após ter morrido pelos pecados do mundo. João também viu-O, durante Seus últimos quarenta dias na terra, com outras testemunhas, pelo menos dez vezes. Na verdade, o idoso João comeu peixe na praia do mar da Galiléia, quando Jesus milagrosamente encontrou peixe onde os discípulos haviam pescado a noite toda e não tinham apanhado nenhum.
Então, quando Policarpo, Inácio e outros dos seguidores dos apóstolos, que Deus estava levantando para continuarem o testemunho da ressurreição de Jesus, confrontaram João com o fato de que ele era a “última testemunha ocular” da vida sobrenatural de Jesus, que provava que Ele havia cumprido todas as profecias messiânicas sobre o Salvador, ele estava pronto a aceitar o desafio. É por isso que encontramos no Evangelho de João sete dos mais incríveis milagres que Jesus realizou em seus três anos e meio de ministério, desde transformar a água em vinho até ressuscitar mortos. Como se sabe, ninguém consegue ressuscitar mortos a não ser Deus!
Então, o que temos em nosso texto de Judas é que os cristãos de todas as eras – e particularmente aqueles que estiverem vivendo quando Israel estiver sendo trazido de volta àquela nação para sempre – são divinamente inspirados e desafiados a “batalhar pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos”. (Tim LaHaye — Pre-Trib Perspectives— Chamada.com.br)

sábado, 2 de maio de 2015

Quadrangular esta ajudando milhares de refugiados na Turquia

Por Ally Siwajian
Milhares de refugiados da Síria e do Norte do Iraque estão fugindo da violência ISIS em sua terra natal, e se refugiar na vizinha Turquia, onde a Igreja do Evangelho Quadrangular está fornecendo comida, abrigo e esperança em meio à dor.Chad Isenhart, Chefe de Operações Internacionais da Quadrangular Disaster Relief (FDR), diz que a ajuda da Igreja dos EUA é especialmente crucial neste momento.
Nos últimos sete meses, os moradores do norte do Iraque e da Síria fugiram de suas casas e de suas nações para escapar da violência ISIS. As mulheres têm sido sequestrado, as crianças queimadas. Os homens foram assassinados, outros feitos prisioneiros, refugiados relatório. Agora, os sobreviventes encontram-se deslocados. Muitos procuraram refúgio em países vizinhos, incluindo a Turquia, onde a Igreja do Evangelho Quadrangular é a maior denominação cristã evangélica no país. Lá, Líderes Quadrangular Ihsan Ozbek e pastores de igrejas locais Quadrangular está cuidando de milhares de refugiados.
Ihsan relata que, na província de Sirnak, inicialmente, 8.000 refugiados tinham tomado abrigo em um acampamento em que é "mais pobres área em nosso país o." Igrejas Quadrangular fizeram uma parceria para fornecer tendas para abrigo. Eles doaram alimentos, também, e estão determinados a "mostrar a misericórdia de nosso Senhor para com eles" e "mostrar Seu amor e graça", diz Ihsan.

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Michelle Obama destaca importância da Música Gospel

Michelle Obama
Ela fala das suas experiências com as canções religiosas da história americana em relação a esse tipo de música
Nos Estados Unidos a música gospel tem raízes na história do próprio país e isso foi relembrado pela primeira dama, Michelle Obama, que citou a importância das canções religiosas em sua vida.
“A música gospel realmente tem desempenhado um papel muito importante na história do nosso país”, disse ela durante um grupo de estudantes e músicos que visitaram a Casa Branca.
Michelle citou os cânticos entoados por escravos e que ao longo da história passaram a ser usado pelos movimentos de direitos civis. “A partir de estilos como o ‘spirituals’, cantados por escravos, os hinos que se tornaram a trilha sonora do movimento pelos direitos civis, e os hinos que milhões de americanos cantam todos os dias nas igrejas em todo o país”.
Mas além de ter ligação com a história dos Estados Unidos, a música cristã tem sua importância na vida da primeira dama americana. “A música gospel é o que alimenta o meu amor pela música em geral”, disse.
Michelle Obama disse que entende que ao ouvir uma canção gospel o coração bate diferente e que muitas vezes a música traz esperança e força para que enfrenta momentos difíceis.
“É o que ajuda a nos conectarmos com Deus, com o poder superior e para muitos, em tempos difíceis, quando você luta a música gospel é como um raio de esperança que dá força”, concluiu.

Fonte: Gospel Prime

domingo, 19 de abril de 2015

Oração de Adoração

A adoração deveria ser um elemento essencial da oração. A palavra moderna “adorar vem do latim “adorare”: render culto (à divindade), venerar, amar extremosamente”.[1] Estes significados indicam que a oração de adoração deveria consistir de expressões de dignidade, respeito e reverência oferecidas a Deus.
A palavra santo relaciona-se significativamente a expressões de dignidade, respeito e reverência oferecidas a Deus. A raiz principal da palavra que foi traduzida por “santo” significa “separar”.[2] Uma pessoa santa é separada de outras pessoas e coisas no sentido de ser diferente, distinta ou mesmo única, singular, em comparação com os outros. Desta forma, quando a Bíblia declara que Deus é santo, ela está dizendo que Ele é diferente, distinto, único, ou singular, em comparação com tudo e com todos.
Depois que Deus guiou o povo de Israel em segurança através do Mar Vermelho, eles disseram: “Senhor, quem é como tu entre os deuses? Quem é como tu, glorificado em santidade?” (Êx 15.11). Eles associaram a santidade de Deus com o fato de que Ele é único entre todos os outros deuses.
Ana, a mãe de Samuel, declarou: “Não há santo como o Senhor; porque não há outro além de ti; e Rocha não há, nenhuma, como o nosso Deus” (1Sm 2.2). Ela igualou a santidade de Deus com Sua singularidade.
Perguntou Deus: “A quem, pois, me comparareis para que eu lhe seja igual? – diz o Santo” (Is 40.25). Ele indicou Sua santidade e Sua singularidade. Ao declarar: “Eu sou Deus e não homem, o Santo no meio de ti” (Os 11.9), Ele quis dizer que a Sua santidade envolve Seu ser diferente ou distinto da humanidade.
Senaqueribe, rei da Assíria, afirmou que, assim como os deuses de outras nações não podiam resgatar tais nações de suas mãos fortes, assim também o Deus de Israel seria incapaz de resgatar Jerusalém (2Rs 18.28-35; 2Rs 19.8-13). Esta insinuação, de que o Deus de Israel em nada era diferente dos deuses das outras nações, foi um ataque verbal à singularidade, ou à santidade, de Deus.
Deus respondeu a Senaqueribe como segue: “A quem afrontaste e de quem blasfemaste? E contra quem alçaste a voz e arrogantemente ergueste os olhos? Contra o Santo de Israel” (2Rs 19.22). Ele advertiu a Senaqueribe de que o Deus de Israel é diferente de todos os outros. Deus demonstrou Sua singularidade matando 185 mil soldados assírios em uma única noite (v. 35).
A singularidade de Deus parece significar mais para Ele do que qualquer outro atributo.
Os anjos acima do trono de Deus clamam:“Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus dos exércitos” (Is 6.3); e aqueles ao redor do trono de Deus não descansam dia e noite, dizendo: “Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso” (Ap 4.8).Estes fatos parecem indicar que a singularidade de Deus significa mais para Ele do que qualquer outro atributo. Sua santidade é absolutamente essencial para que Ele seja quem Ele é.
Ao povo de Deus foi dada a seguinte ordem: “Adorai o Senhor na beleza da santidade” (Sl 29.2). A palavra traduzida por “beleza” significa “adorno”. Na adoração em público ou em particular, os crentes devem adornar a Deus com Sua santidade, declarando quão diferente, distinto ou único Ele é em contraste com tudo e todos mais.[3] (Renald E. Showers — Israel My Glory — Chamada.com.br)
Renald E. Showers é escritor e conferencista internacional de The Friends of Israel.

terça-feira, 14 de abril de 2015

CAMPANHA ESPECIAL "ÁGUAS QUE SARAM" TEM INÍCIO NO PRÓXIMO DIA 22 EM AMERICANA


Americana (interior de São Paulo, Brasil) - A Igreja do Evangelho Quadrangular "TEMPLO DA ALIANÇA", realizará a partir do próximo dia 22 de Abril a "CAMPANHA ESPECIAL ÁGUAS QUE SARAM 2015" Rumo ao Milagre de Deus.

Segundo informou o Ministério Pastores Antonio Martins e Pastora Rosemere Silva, Titulares da Igreja do Evangelho Quadrangular "TEMPLO DA ALIANÇA", a "CAMPANHA ÁGUAS QUE SARAM" será realizada todas a quartas-feiras com início partir das 20:00 horas.

A Igreja do Evangelho Quadrangular "TEMPLO DA ALIANÇA" Ministério Pastor Antonio Martins, conta com a Pastora Auxiliar Ariana Regina, a qual vem desenvolvendo excelentes projetos com "Grupo Jovens Quadrangular" em Americana.

Estamos localizados à Rua Mercúrio, 235 - Jardim Alvorada - Americana - São Paulo

FONTE: https://www.facebook.com/templodalianca

quinta-feira, 9 de abril de 2015

8 Minutos Para a Eternidade


O mundo ainda não se recompôs da tragédia que nesta última semana encheu os nossos corações de dor e consternação. Um indivíduo, alegadamente sofrendo de problemas psicológicos graves, decidiu acabar com a sua vida e a de mais 149 pessoas, arremetendo o avião que pilotava contra uma montanha dos Alpes franceses.
As imagens do sofrimento, dor e revolta nas faces e expressões dos familiares, amigos e da população em geral têm corrido o mundo e são marcantes e angustiantes. A incontrolável saudade, os gritos de dor e as recordações tornam-se a tortura diária das centenas de pessoas que perderam algum familiar, amigo ou conhecido naquela indescritível tragédia.

8 MINUTOS PARA A ETERNIDADE

Segundo os dados técnicos disponíveis, a tragédia iniciou-se 8 minutos antes da colisão, quando o infeliz co-piloto decidiu iniciar a queda abrupta e constante do avião até o choque final com a montanha rochosa.
Entretanto, de acordo com as informações que vêm chegando, as suas 149 vítimas só perceberam a realidade trágica que delas se aproximava a escassos momentos da colisão do avião contra a montanha. Segundo registros gravados, só se ouviram os gritos das vítimas, momentos antes do desastre.
Não imagino o que seja ver a morte à frente sem poder fazer nada para escapar. Uma coisa é certa: todos aqueles passageiros, que naquela fatídica manhã entraram naquela aeronave em Barcelona, acreditavam que a mesma os levaria em plena segurança até a cidade de Düsseldorf, na Alemanha. Ninguém ali escolheu a tragédia, muito menos contava com ela.
Quantos risos, alegrias, esperanças e expectativas foram partilhadas durante os minutos de vôo anteriores à tragédia? Certamente muitos.

Mas, a certa altura, alguém colocou o relógio daquelas vidas numa contagem regressiva de 8 minutos. 8 minutos até à colisão fatal. 8 minutos finais de uma existência desejada, mas bruscamente interrompida.

QUAL É A MAIOR TRAGÉDIA?

A questão crucial nesta história não deve ser a das causas que levaram aquele co-piloto a provocar uma tragédia destas – ainda que mereça muita atenção e reflexão – mas saber em que condição espiritual estavam todas aquelas vidas.

É MELHOR ESTAR SEMPRE PREPARADO

Toda a nossa vida é uma verdadeira viagem para um destino previamente escolhido. Se eu escolho viver com Deus e relacionar-me com Ele através da Pessoa do Seu Filho Jesus Cristo, tenho a vida eterna, estando por isso preparado para, em qualquer momento da viagem, partir para a presença de Deus, em paz e segurança, sabendo que Ele me receberá nos Seus braços de amor e perdão. Mas se escolho viver independentemente de Deus, não dando valor ou sentido aos Seus convites e apelos para que me reconcilie com Ele através do reconhecimento e confissão dos meus pecados, estarei despreparado, arriscando-me a enfrentar a condenação e separação eterna a qualquer momento em que a viagem da vida seja interrompida.

É por isso que Deus nos alerta: “Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias...”. “Prepara-te para te encontrares com Deus”.

Ninguém é o senhor do seu destino. Ninguém consegue adivinhar o dia ou a maneira em que vai partir para a eternidade através da morte física. É melhor estar preparado para quando essa interrupção se der. É melhor entregar a sua vida nas mãos de Deus e depender dEle, confiando na Sua capacidade de nos guardar de todo mal, ou preparar-nos para enfrentá-lo com plena confiança e certeza do destino maravilhoso que Deus tem preparado para todos aqueles que O amam.

Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nEle, e o mais Ele fará” – Salmo 37.5
Normando Fontoura

domingo, 5 de abril de 2015

A Grandiosa Solução: A Ressurreição de Jesus Cristo

No Domingo de Páscoa celebramos a ressurreição de Jesus Cristo. Que dia maravilhoso é este para os cristãos se regozijarem em união. O mundo não o compreende, e isto é lamentável porque a ressurreição resolve os três maiores problemas da humanidade: a morte espiritual, a morte física e a vida sem esperança.

A Vida em Cristo

Todas as pessoas têm problemas, dificuldades e sofrimentos. Mas poucas entendem a verdadeira fonte deles. O apóstolo Paulo coloca as coisas da seguinte maneira:
Ele vos deu vida, estando vós mortos em vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo (...) entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais” (Ef 2.1-3).
Todos nós nascemos com uma velha natureza, fazendo com que estivéssemos espiritualmente mortos – cortados da presença de Deus. Podemos pensar que somos livres, mas estamos presos nas armadilhas do pecado. Algumas pessoas percebem esse fato quando são confrontadas com a Palavra de Deus e ali encontram as respostas que estiveram procurando.
Quando recebemos o dom da vida espiritual, somos postos em liberdade:
Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo” (Ef 2.4-5).
A ressurreição de Jesus torna possível que você e eu recebamos o dom da vida espiritual por meio da graça de Deus, que nos alcança e restaura o nosso relacionamento com Ele, proporcionando-nos o perdão dos pecados:
Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie” (Ef 2.8-9).
Todos podem receber esse dom. E estou feliz que seja um dom, porque, sem ele, a única maneira pela qual poderíamos pagar pelos nossos pecados seria morrermos nós mesmos por eles. Devemos receber a Cristo como nosso Salvador. Ele é a solução proporcionada por Deus. Nossos pecados foram colocados sobre Jesus. Ele morreu em nosso lugar para que pudéssemos receber o dom da vida eterna através da graça de Deus. O próprio Jesus disse:
Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida” (Jo 5.24).
A vida de John Newton foi transformada quando ele descobriu a graça de Deus. Capitão britânico de um navio mercante de escravos, Newton veio a entender sua pecaminosidade e necessidade de um Salvador. Depois de sua conversão, em 1748, ele escreveu o memorável hino “Amazing Grace”, celebrando o que Deus havia feito por ele.

A Vida da Ressurreição

O segundo problema que todo o mundo compartilha é a morte física. Todos nós morreremos. Nem um único indivíduo neste planeta escapará da morte a menos que Jesus volte antes.
A morte espiritual gerou a morte física: “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram” (Rm 5.12).
No dia em que Adão pecou no Jardim do Éden, ele morreu espiritualmente (Gn 2.17). Aquela morte prenunciou a morte física. Em Adão, todos morrem. A morte física, de fato, é a prova da morte espiritual – de que todos nós nascemos alienados de Deus.
Corrigir o problema da morte espiritual não reverte a morte física. Ainda temos funerais, necrotérios e cemitérios. Então, qual a solução do problema da morte física da humanidade?
Se, pela ofensa de um e por meio de um só, reinou a morte, muito mais os que recebem a abundância da graça e o dom da justiça reinarão em vida por meio de um só, a saber, Jesus Cristo” (Rm 5.17).
Por causa da ressurreição de Jesus, Deus pode agora dar-nos o dom da vida ressurreta:
Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo” (1Co 15.22).
Esta é a promessa e a esperança que Jesus nos proporciona:
Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá” (Jo 11.25).
Você vai morrer? Sim. Mas, se recebeu Jesus como seu Salvador, você viverá novamente em um lugar de bênçãos.
Você vai morrer? Sim. Mas, se recebeu Jesus como seu Salvador, você viverá novamente em um lugar de bênçãos. A ressurreição é o nosso futuro por causa dEle.
Houve pessoas que foram ressuscitadas durante o tempo em que Jesus estava na Terra. Mas todas elas morreram de novo. Jesus foi o primeiro a morrer fisicamente e a ressuscitar em um corpo glorificado. Ele é as primícias, e os cristãos seguirão em Seus passos:
Mas, de fato, Cristo ressuscitou dentre os mortos. Sendo ele as primícias dos que dormem. Visto que a morte veio por um homem, também por um homem veio a ressurreição dos mortos. Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo. Cada um, porém, por sua própria ordem: Cristo, as primícias; depois, os que são de Cristo, na sua vinda” (1Co 15.20-23).
As palavras operativas aqui são: “em Cristo”. Se recebeu o dom da vida eterna através de Jesus Cristo, você ganhou a vida espiritual para hoje e a vida da ressurreição para a eternidade. Não há necessidade de temer a morte física. Jesus veio para libertar aqueles que vivem com medo da morte durante toda a sua vida (Hb 2.9). Se aceitamos Jesus como o sacrifício perfeito e final pelos nossos pecados, nossos corpos sairão da sepultura e viveremos maravilhosamente por toda a eternidade. É a ressurreição de Jesus que nos proporciona tal vida.

Vida Abundante e Livre

Muitas pessoas vivem uma vida sem realizações, sem um propósito verdadeiro. Aqueles que vivem meramente para satisfazer seus próprios desejos freqüentemente se sentem vazios. Como escreveu o rei Salomão:
Tudo quanto desejaram os meus olhos não lhes neguei, nem privei o coração de alegria alguma (...); e eis que tudo era vaidade e correr atrás do vento” (Ec 2.10-11).
Paulo descreveu a situação teo­lo­gi­camente:
Porque, quando vivíamos segundo a carne, as paixões pecaminosas postas em realce pela lei operavam em nossos membros, a fim de frutificarem para a morte. Agora, porém, libertados da lei, estamos mortos para aquilo a que estávamos sujeitos, de modo que servimos em novidade de espírito e não na caducidade da letra” (Rm 7.5-6).
A ressurreição de Jesus resolve o problema da desesperança. Pessoas que vivem sem nenhum propósito eterno freqüentemente se perguntam: “Qual é o sentido da vida?”.
Por outro lado, se você tem Jesus como seu Salvador, foi-lhe dada uma nova vida, a qual você pode viver para Ele.
E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura...” (2Co 5.17).
Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida” (Rm 6.4).
Deus quer que vivamos abundantemente e que tenhamos uma vida cheia de propósito.
Se estamos “em Cristo”, temos novidade de vida porque fomos identificados com Ele em Sua morte e ressurreição. Deus quer que vivamos abundantemente e que tenhamos uma vida cheia de propósito:
Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (Jo 10.10).
Um dia, todos compareceremos diante de Jesus, e Ele escrutinará nossos atos. O que fizemos por meio de nossos próprios esforços, separadamente dos direcionamentos de Deus, será destruído. Mas o que fizemos por Ele durará para sempre (1Co 3.12,14). A ressurreição de Jesus tornou possível para nós termos alegria e sentido de realização aqui e agora, e vivermos além da morte.
Amigo, se você pudesse tão somente entender que a alegria de viver está no morrer do “eu”, como Jesus fez! Quando você morre para si mesmo e se dá aos outros, Deus derrama alegria e sentimento de realização sobre você, a despeito dos sofrimentos que a vida diária pode freqüentemente trazer. Mas, primeiro, você deve reconhecer que é pecador e aceitá-lO como seu Salvador. Depois, você terá os céus e vai querer estar lá; além disso, terá um propósito enquanto viver aqui na Terra.
Não desperdice sua vida. A ressurreição de Jesus a torna preciosa. Receba-O como seu Salvador, e quem sabe quão grandes coisas Deus poderá realizar através de você!(Richard D. Emmons —  Israel My Glory — Chamada.com.br)