domingo, 22 de março de 2015

Bianca Toledo conta sobre infância, adolescência e a cura

Quem olha hoje para esta linda mulher jamais poderia imaginar tudo aquilo que passou. Sua história superou barreiras territoriais, e pessoas do mundo inteiro participaram de um relógio de oração a favor dela. Seu testemunho tem impactado a muitos. Bianca esteve cara a cara com a morte, mas antes mesmo disso, em sua infância e adolescência, ela passou por problemas emocionais. A sua transformação foi completa: no corpo, na alma, no espírito.
Ela tem 35 anos, é mãe de José Vittorio (hoje com três anos de idade) e casada com Felipe Heiderich. Formada em canto lírico e popular, participou do programa “Raul Gil” e venceu o concurso promovido por ele, chamado “Usina de Talentos”, o que a levou a gravação de um CD. Ela também é fundadora do projeto Reina Brasil, que reúne músicos e compositores para usar a musicalidade brasileira para louvar a Deus. Além disso, cantou no encerramento do “Criança Esperança” em 2007, e posteriormente, em 2008, gravou um CD solo.
Hoje, após ter passado por inúmeros milagres, Bianca viaja por todo o mundo para testemunhar aquilo que Deus fez em sua vida. Aproveite para ler as linhas abaixo e conhecer um pouco mais da história dessa mulher que tem sido um exemplo do poder de Jesus.
“Tive uma adolescência e infância muito difíceis emocionalmente. Quando tinha 3 anos de idade, meus pais se separaram, e isso trouxe marcas em minha vida. Uma das marcas foi ter uma baixa autoestima, o desenvolvimento do transtorno de ansiedade e um transtorno obsessivo compulsivo por comer. Aos 12 anos de idade pesava 80 quilos. Era ridicularizada na escola e taxada como a mais feia.
Bianca Toledo participa do concurso "Usina de Talentos" do Programa Raul Gil
Bianca Toledo participa do concurso “Usina de Talentos” do Programa Raul Gil
A minha autoimagem era conturbada de forma que até quando se tratava do meu dom musical (tinha uma voz linda e tocava instrumentos), agia de forma negativa. Via isso como um peso, porque as pessoas me pediam sempre para cantar e eu não queria. Fugia das pessoas. Tinha muita dificuldade de me relacionar por causa das feridas que permaneciam dentro de mim.
Com o passar do tempo desenvolvi também uma depressão crônica. Não tinha vontade de viver. Se alguém me perguntasse: “Você se imagina no futuro?”, eu responderia que não. Contudo, isso mudou quando conheci a Cristo.
Um dia, aos 16 anos, viajei a São Paulo para visitar meu pai. Ele havia se convertido, e me convidou para assistir ao seu batismo. Quando cheguei a sua igreja, fui recepcionada com um forte abraço e muito amor. A partir daquele momento já comecei a me sentir diferente. Eu sempre estava na defensiva, mas aquela recepção me fez sentir como ser recebida pelo próprio Deus. Aqueles que não conhecem a Cristo não têm dimensão do amor que eles podem ter! E diante desse amor, naquela noite, me apaixonei por Cristo!
Comecei a buscar ao Senhor. Frequentava aos cultos de segunda a segunda e também tinha momentos a sós com Deus. Com um mês de conversão, fui batizada com o Espírito Santo no meu quarto, enquanto orava.
Bianca grávida de José Vittorio
Ainda na adolescência, descobri que tinha endometriose, e por isso, não podia ter filhos. Cria que o Senhor podia me curar. Deus me disse que um dia teria uma família, e eu confiei Nele. Porém, quando estava perto de completar 30 anos, comecei a pensar: “Onde está a minha família?”. Acabei fazendo como Sara e Abraão, que tentaram concretizar a promessa com suas próprias mãos, fazendo com que Abraão tivesse um filho com Hagar. Sem nem mesmo perguntar a Deus se era da vontade Dele, me casei.
O Senhor, contudo, não esqueceu sua promessa. Fiquei grávida e muito feliz, apesar dos desajustes e separação que passei no meu casamento ao longo do tempo da gestação. Orava a Deus, e Ele me revelava quem seria meu filho, como seria sua personalidade. Decorei o quarto do bebê e esperava com expectativa o dia em que ele chegaria!
Foi então que, no oitavo mês da gestação, senti uma dor muito forte no abdômen e naturalmente pensei: “O meu filho está nascendo!”. Fui ao hospital, e ao me examinarem, os médicos chegaram à conclusão de que eu não estava em trabalho de parto. Algo estava acontecendo comigo, mas nenhum médico sabia dizer o que era. Fui transferida de hospital, e a cada momento piorava de estado.
Os médicos decidiram fazer o parto do meu filho. Entrei na sala de cirurgia já inconsciente, e não pude ver meu filho nascer. Posteriormente, descobriram que meu intestino havia rompido, tive infecção generalizada e falência múltipla de órgãos. Pela medicina, eu deveria ter apenas mais 48 horas de vida, mas para a surpresa de todos, continuei viva!
Bianca Toledo
Bianca saindo do estado de coma
Fiquei em coma durante 52 dias. Passei por 10 cirurgias no abdômen e no pulmão, 300 transfusões de sangue, 2 paradas cardíacas e contraí bactérias hospitalares, inclusive, a KPC, contra a qual ainda não existe nenhum antibiótico. Todavia, enquanto estava inconsciente, era ministrada pela pastora Fernanda Brum e outras pessoas que iam me visitar. Existia uma corrente de oração por mim em vários lugares do Brasil e do mundo, e eu assimilava em sonhos aquilo que acontecia no mundo espiritual. Liberei perdão para muitas pessoas e recebi do Senhor curas interiores ainda no coma.
Quando finalmente fiquei consciente, ainda tentava assimilar aquilo que tinha acontecido comigo. Estava respirando por aparelhos e não tinha nenhum movimento no corpo. Observava o movimento no CTI, e me perguntava se um dia teria minha vida de volta.
No dia 31 de dezembro, fui transferida de hospital. Suspenderam toda a medicação que eu recebia, pensando que eu não sobreviveria mais. Entretanto, a partir daquele dia, meu corpo começou a melhorar gradativamente. A princípio ainda fazia hemodiálise, tinha feridas abertas no meu abdome, em que os médicos diziam que não havia perspectiva de fechar. Ainda não falava, mas me comunicava através de um quadro com letras, apontando para elas e formando frases.
Com o tempo, passei a respirar sozinha. Meus rins voltaram a funcionar. Os médicos diziam que era impossível um rim voltar a funcionar após dois meses parado. O meu tinha ficado quatro meses sem atividade alguma, mas o Senhor fez com que ele funcionasse! Também voltei a falar ainda com uma chamada “voz de monstro”, mas isso já era um grande milagre. Os médicos e enfermeiras que cuidavam do meu caso tiveram um encontro com Deus, e até mesmo o mais cético confessou que Deus havia interferido na minha situação.
Bianca e José Vittorio
Bianca e José Vittorio
Tive alta, já conseguindo ficar de pé e dar alguns passos usando algum apoio. Voltei para casa e finalmente conheci o meu filho, que já tinha quase seis meses de idade. As pessoas diziam que antes ele não chorava, não era como as outras crianças. Minha mãe conta que uma vez até mesmo o fez chorar, temerosa que houvesse algum problema com ele. Contudo, quando ele me viu, me reconheceu e sorriu. A partir daquele dia, se tornou uma criança como todas as outras. As pessoas diziam: “Ele estava esperando a mãe voltar para casa”. Ainda assim, não pude tocá-lo naquele momento, pois estava de quarentena em razão da colonização de bactérias.
Percorri um longo caminho de recuperação. Na época ainda não caminhava, tinha uma bolsa de colostomia, e dependia muito das pessoas. Venci muitos desafios e até mesmo tive que aprender a ser mãe novamente.
Bianca vai a muito lugares para testemunhar o que Deus fez em sua vida
Bianca vai a muito lugares para testemunhar o que Deus fez em sua vida
Readquiri todos os meus movimentos. Minha voz ainda hoje está em processo de recuperação, mas já consigo falar, cantar, mesmo que em voz um pouco mais baixa, e até mesmo pregar. Casei-me novamente e tive uma restauração também em minhas emoções. Creio que Deus pode ajustar qualquer casamento, mas apenas se os dois envolvidos estiverem realmente interessados nisso. O divórcio é um assunto delicado, que deve ser analisado com cuidado, e gostaria que ninguém tomasse meu caso como referência.
Hoje, o Senhor tem me levado a muitos lugares para testemunhar do que fez em minha vida, me deu uma unção de cura, e, pela graça Dele, muitas vidas têm sido transformadas! A Ele toda honra, glória e louvor!”
Bianca Toledo

Texto: Natália Celle

sexta-feira, 13 de março de 2015

Instituto Flordelis é Destaque no Brasil em Amor e Solidariedade



Flordelis dos Santos de Souza , 48 anos , casada , administradora , pastora , cantora gospel e mãe de 50 filhos, sendo 04 biológicos.
Nascida e criada na favela do Jacarezinho.

Sua história é surpreendente pela sua determinação , garra , empenho , coragem e principalmente seu amor ao próximo. Foi esse amor que fez com que em uma só madrugada abrigasse 37 menores de rua em sua residência ( no Jacarezinho ) , se tornando mãe de 45 filhos , porque já havia morando com ela 05 menores moradores da favela envolvidos com drogas e com sérios problemas familiares além dos seus 03 filhos biológicos na época , tendo tido mais 01 filho biológico , totalizando 04 filhos biológicos.
Enfrentou preconceitos sociais , grandes dificuldades econômicas , perseguições e até mesmo ameaças .
Recebendo apenas a ajuda do sociólogo Herbeth de Souza ( o Betinho ) da ONG Ação da Cidadania , que durante 3 meses enviou comida para a família Flordelis e Pedro Werneck e Carlos Werneck fundadores da ONG Instituto da Criança que apóiam até hoje a grande família .

Flordelis não recuou, lutou e venceu.

Hoje, 16 anos depois reconhecida pela sociedade, ganhou o título de Cidadã Benemérita do Estado do Rio de Janeiro e a medalha Tiradentes.
Homenageada pela Xuxa em cadeia televisiva nacional e internacional como a mãe do Brasil, sua história até hoje ganha repercussão pela imprensa escrita e televisiva como: Revista Época, Revista Caras, Revista Quem, Revista Estilo, Tele-Jornais, Jornal Globo, Jornal J.B, Jornal O Dia, Jornal Extra e outros, Programa Ana Maria, Programa Hebe Camargo Programa De frente com Gabi, Fantástico, Vídeo Show.

Conquistou o apoio e a admiração da classe artística como: Xuxa , Angélica , Elba Ramalho , Isabel Filardes , Luciano Szarfir , Luana Piovani , Ana Furtado , Fernanda Lima , Reynaldo Gianecchini , Cauã Reimond , Aline Morais , Sérgio Marone , Letícia Sabatella , Débora Secco , Fernanda Machado , Rodrigo Hilbert , Letícia Spiller , Marcelo Antony , Bruna Marquesine , Cris Viana , Marília Gabriela , Guilherme Berenguer , Patrícia França e outros .
E 1999 junto com seu marido Pr. Anderson do Carmo , fundou uma conceituada Igreja Evangélica no bairro do Colubandê – São Gonçalo.
A Comunidade Evangélica Ministério Flordelis é presidida pelo seu marido. A mesma é notabilizada pelo significativo trabalho missionário de ressocialização dos adolescentes e jovens viciados envolvidos com o tráfico . Tendo o seu maior êxito na reestruturação das famílias ( terapias de casais , aconselhamentos , etc ) conquistando assim o respeito e a credibilidade não só das famílias mas do povo evangélico , transformando-se em uma referência e forte liderança evangélica
Em 2007 foi fundado o Instituto Flordelis de Apoio ao menor, para dar continuidade a essa história.
Em Outubro de 2009 foi lançado um filme em alguns cinemas do Brasil contando a sua história, Flordelis, Basta uma Palavra para Mudar, do Editor do modas Marco Antônio Ferraz.

Está Consumado! As Últimas Palavras de Jesus


Vejamos três aspectos das duas últimas palavras de Jesus na cruz: a obra está consumada! A tarefa está cumprida! A luta já passou!


João 19.28-30 relata: “Depois, vendo Jesus que tudo já estava consumado, para se cumprir a Escritura, disse: Tenho sede! Estava ali um vaso cheio de vinagre. Embeberam de vinagre uma esponja e, fixando-a num caniço de hissopo, lha chegaram à boca. Quando, pois, Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado! E, inclinando a cabeça, rendeu o espírito”.
Essas últimas palavras de nosso Senhor – “Está consumado!” – poderiam ser traduzidas por: “Está concluído!”, “Está feito!”, “Acabou!” Partindo das últimas palavras de Jesus, vamos pensar um pouco mais sobre o sentido delas.

ESTÁ CONSUMADO, A OBRA ESTÁ CONCLUÍDA!

Quando Jesus Cristo morreu na cruz do Gólgota, estava concluída a maior obra já iniciada nesta terra. Foi uma obra tão infinitamente grande – e acima de tudo tão difícil –, que deixava Jesus muito angustiado antes mesmo de começar. Quando todo o caminho de sofrimentos ainda se encontrava à Sua frente, Ele falou as comoventes palavras: “Eu vim para lançar fogo sobre a terra e bem quisera que já estivesse a arder. Tenho, porém, um batismo com o qual hei de ser batizado; e quanto me angustio até que o mesmo se realize!” (Lc 12.49-50).
Jamais deveríamos nutrir a concepção errônea de que foi algo fácil para o Filho de Deus começar essa grande obra de salvação aqui na terra – e principalmente finalizá-la plenamente. Quando Jesus falou sobre o grão de trigo que deve morrer antes de produzir frutos, confessou abertamente: “Agora, está angustiada a minha alma...” (Jo 12.27).Angustiada, abalada, consternada estava a alma de nosso querido Salvador ao pensar no que iria enfrentar.
É estranho que Ele tenha se expressado dessa forma? Não. Bem antes da cruz Ele já sofria indizivelmente. A luta no Getsêmani custou muito suor, lágrimas e até gotas de sangue ao nosso Senhor. Ali Ele foi tomado de uma agonia tão grande que sentiu angústias de morte, literalmente. E pensemos ainda na Sua condenação e em tudo o que fizeram com Ele antes de morrer. Teve de suportar a terrível flagelação romana, um sofrimento que muitos condenados nem suportavam e morriam ainda antes da execução. Foi colocado um manto púrpura sobre Seus ombros machucados e uma coroa de espinhos em Sua cabeça. Essa coroa de espinhos não foi depositada gentilmente, mas com força bruta que fez o sangue jorrar. Apanhou com uma vara, que enterrou ainda mais os espinhos da coroa em Sua cabeça. E a própria execução, na cruz, ainda nem havia começado!
Precisamente com este propósito vim para esta hora. Pai, glorifica o teu nome...
Essa cruz era tão terrível, a escuridão tão profunda, as dores tão infernais, a sede tão insuportável, a solidão tão excruciante que o coração do martirizado Cordeiro de Deus clamou ao Pai: “Tu, Senhor, não te afastes de mim; força minha, apressa-te em socorrer-me. Livra a minha alma da espada, e, das presas do cão, a minha vida. Salva-me das fauces do leão e dos chifres dos búfalos; sim, tu me respondes”. Esse é o Salmo 22, um salmo profético que fala do sofrimento do Messias, especialmente nos versículos 19-21, onde esse clamor do Cordeiro de Deus já transparece antecipadamente.
Não devemos pensar, contudo, que em algum momento nosso Salvador tenha perdido o juízo ou tentado se desviar do caminho de sofrimentos que esperava por Ele. Jesus explicou em João 12.27-28: “Agora, está angustiada a minha alma, e que direi eu? Pai, salva-me desta hora? Mas precisamente com este propósito vim para esta hora. Pai, glorifica o teu nome...”. Em momento algum Jesus tentou desistir. Seu propósito era consumar a obra que Lhe estava destinada. O caminho era indizivelmente doloroso, a angústia era enorme, mas Ele seguiu Seu rumo até a morte, e morte de cruz. Das profundezas de sua tortura Ele conseguiu dizer: “Está consumado!” Sim, a obra estava concluída, de uma vez por todas. Consumá-la exigiu um altíssimo preço, mas Jesus agüentou até o amargo fim e realizou-a plenamente.

ESTÁ CONSUMADO, A TAREFA FOI CUMPRIDA

Com a morte de nosso Salvador na cruz do Calvário estava cumprida a mais grandiosa missão jamais entregue a alguém. Nosso Senhor morreu como Filho de Deus na cruz, mas como homem legítimo suportou toda a tortura envolvida no cumprimento de Sua incumbência. O tempo passava, hora após hora, e Ele se mantinha firme, padecendo as dores mais cruéis para cumprir a maior e mais difícil tarefa jamais imposta a algum homem sobre esta terra.
O Filho de Deus foi incumbido da difícil tarefa de salvar a humanidade ainda antes da fundação do mundo. Quem já existia antes da fundação do mundo? Deus, o Pai. E quem mais? Ninguém menos do que o Filho de Deus, Jesus Cristo. Miquéias, ao anunciar a vinda do Messias, diz que Suas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade (Mq 5.2). Nosso Senhor já existia antes da criação do mundo. Naquele tempo, um profundo amor caracterizava a comunhão entre Pai e Filho. Na Oração Sacerdotal o próprio Jesus disse a Seu Pai: “tu me amaste antes da fundação do mundo” (Jo 17.24).Quando ainda não havia nada do que viria a ser criado, o Pai e o Filho já existiam, ligados em um amor imenso. Nesse tempo o Filho foi encarregado da mais árdua tarefa de todos os tempos. Ele, o mais amado do Pai, foi feito Cordeiro de Deus. Apocalipse 13.8 explica que Ele “foi morto desde a fundação do mundo”.
Nesse ponto somos confrontados com um contraste muito forte: por um lado, o Pai ama Seu Filho acima de tudo. Mas, por outro lado, é justamente esse Filho o predestinado ao matadouro, para vir a ser o Cordeiro de Deus. É assim que se expressa o amor de um pai por seu filho? Ainda antes da fundação do mundo aconteceu mais um fato que alvoroçaria de forma indescritível tanto o céu como a terra. Esse evento tinha um vínculo muito próximo com a grande e pesada tarefa de Jesus Cristo. Paulo a descreve assim: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo... como nos escolheu antes da fundação do mundo... e, em amor, nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo...” (Ef 1.3-5). Antes da fundação do mundo Deus o Pai, em Seu insondável amor, já decidira que nós, pessoas deste mundo, nos tornaríamos filhos Seus! Mas para que isso viesse a se concretizar, alguém tinha de cumprir uma tarefa imensamente pesada e árdua: expiar os pecados que todos nós cometemos.
Sem expiação jamais poderíamos clamar “Aba, Pai!” (veja Romanos 8.15). Nós mesmos jamais poderíamos realizar essa tarefa, pois expiar pecados diante do Deus santo significa morrer. E dessa forma jamais teríamos nos tornado filhos de Deus, uma vez que teríamos morrido por causa dos nossos pecados. Portanto, alguém teve de morrer em nosso lugar para expiar nossa culpa, alguém que não tivesse pecado e não precisasse ser castigado por seus próprios pecados. E existe somente um, no céu e na terra, que preenche esse requisito, e este alguém é o amado e único Filho de Deus, Jesus Cristo.
Não é de admirar que Pedro tenha exclamado cheio de júbilo: “sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo, conhecido, com efeito, antes da fundação do mundo, porém manifestado no fim dos tempos, por amor de vós” (1 Pe 1.18-20).
Antes da fundação do mundo o Pai amava seu Filho primogênito, Jesus Cristo. E antes da fundação do mundo nós também fomos escolhidos para sermos filhos de Deus; o reino do Pai foi preparado para nós, os herdeiros. E antes da fundação do mundo o amado primogênito foi eleito para cumprir a mais difícil de todas as tarefas: morrer como Cordeiro de Deus na cruz do Calvário – em nosso favor.
Diante de uma obra de salvação tão maravilhosa, só nos resta expressar toda a nossa adoração, nossa admiração e nossa gratidão. Como foi que nosso Senhor e Salvador reagiu quando confrontado com a tarefa que iria lhe custar a vida de uma forma tão horrível? Sua reação foi quase inacreditável: “Então, eu disse: eis aqui estou, no rolo do livro está escrito a meu respeito; agrada-me fazer a tua vontade, ó Deus meu; dentro do meu coração está a tua lei” (Sl 40.7-8). “Disse-lhes Jesus: A minha comida consiste em fazer a vontade daquele que me enviou a realizar a sua obra” (Jo 4.34). “Porque eu desci do céu, não para fazer a minha própria vontade, e sim a vontade daquele que me enviou” (Jo 6.38). É impressionante ver que o Filho amado do Pai demonstrasse tamanha disposição de se tornar o Cordeiro de Deus! Jesus Cristo morreu na cruz do Gólgota cumprindo a mais difícil tarefa de todos os tempos. E hoje todos nós podemos testemunhar com muita alegria: A tarefa está cumprida! Está consumado!

ESTÁ CONSUMADO, A LUTA TERMINOU!

A obra está consumada! A tarefa está cumprida! A luta do Cordeiro de Deus já passou, definitivamente! O que isso deve ter significado para o Senhor no momento em que falou:“Está consumado!”? Como Ele deve ter se sentido quando chegou ao final de Sua dolorosa e cruenta jornada e Sua luta chegou ao fim? Com nossa mente limitada nem conseguimos compreender esse grandioso fato. Mas sem dúvida houve triunfo imenso nos céus quando o Cordeiro de Deus venceu no Gólgota. O próprio Jesus Cristo havia explicado que haveria muita alegria entre os anjos de Deus por um pecador que se arrepende (Lc 15.10). Quanto maior deve ter sido a alegria dos céus, quanto mais grandioso deve ter sido o júbilo quando o Cordeiro de Deus retornou como herói triunfante!
Percebemos um pouco desse triunfo no novo cântico que os vinte e quatro anciãos entoam em honra ao Cordeiro de Deus: “Digno és de tomar o livro e abrir-lhe os selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação” (Ap 5.9).
Qual é o objeto do grande triunfo de nosso Senhor? Qual é seu despojo de vitória? Apocalipse 5.9 responde muito bem a essas perguntas quando posto lado a lado com o versículo 10: “e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes e reinarão sobre a terra”. O grande triunfo de nosso Senhor, aquilo que fazia Sua vitória tão magnífica, tão grandiosa e tão incomparável, somos nós. Nós somos Seu triunfo, nós somos Sua recompensa, a parte que Lhe cabe por direito!
Nós somos a recompensa pelas Suas dores indizíveis. Você faz parte dos comprados pelo sangue do Cordeiro?
Mas tem ainda mais: Nós somos a recompensa pelas Suas dores indizíveis:“Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniqüidades deles levará sobre si” (Is 53.11). Por ter se empenhado, Ele verá o fruto e receberá a plenitude, que é a multidão de pessoas que têm a vida eterna por meio de Sua morte. Sim, a luta findou, o Cordeiro venceu, Sua recompensa é imensa.

VOCÊ FAZ PARTE?

Você faz parte dos comprados pelo sangue do Cordeiro? Você é parte da recompensa que o Salvador recebeu por Suas dores indescritíveis? A morte dEle já se tornou vida para você? Por favor, entenda bem o que aconteceu lá no Gólgota: Cristo morreu por você, por você pessoalmente. Ele morreu porque o Pai celestial lhe ama a ponto de entregar Seu amado Filho à morte (Jo 3.16).
Você já foi até Jesus com toda a sua carga de pecados? Quando Jesus exclamou “Está consumado!”, uma anistia geral foi proclamada a todas as pessoas do mundo inteiro. A partir desse momento qualquer pessoa, por mais ruim, pecadora ou suja que esteja, pode vir a Jesus e receber dEle a garantia de estar liberta para todo o sempre! Essas duas últimas palavras de Jesus na cruz do Gólgota são capazes de transformar pobres pecadores, pecadores perdidos e imundos, em filhos de Deus perdoados e felizes. Diante dessas palavras magníficas, diante de todo o profundo significado que elas representam, eu pergunto: você está salvo hoje e por todo o sempre?

Você pode testemunhar e confessar que essas duas palavras transformaram completamente a sua vida? Quando Jesus declarou “Está consumado!”, Sua luta tinha chegado ao fim. E você? Sua luta também já terminou? Você também pode exclamar com júbilo “Está consumado!” e refugiar-se no Salvador. Ele sofreu por você, Ele sangrou por você, Ele lutou por você. Nele você encontra a paz. Ele espera por você. Sua obra está consumada! A tarefa está cumprida! A luta já passou! Agora o céu está aberto para cada um de nós! (Marcel Malgo - Chamada.com.br)

sábado, 28 de fevereiro de 2015

Senador Magno Malta ‘ARREBENTA’ o Governo sobre morte de cristãos



Senador Magno Malta, durante sessão plenário do Senado Federal desta terça-feira (24), não poupou palavras e arrebentou com o governo federal sobre sua omissão diante do assassinado de cristãos pelos terroristas do Estado Islâmico. Ele também se pronunciou sobre a postura do governo com relação a questões diplomáticas com a Indonésia e a Venezuela.

FONTE: www.verdadegospel.com.br

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

SBB participa do 17º Encontro Consciência Cristã em Campina Grande (PB)



A Sociedade Bíblica do Brasil (SBB) participará do 17º Encontro Consciência Cristã, que acontecerá de 12 a 17 de fevereiro, no Complexo do Parque do Povo, em Campina Grande (PB).

Além de um estande com publicações bíblicas, a SBB marcará presença no evento com o caminhão do programa Luz no Nordeste, que poderá ser conferido de perto pelos visitantes. Em cinco anos de atividade, o programa já beneficiou mais de 30 mil pessoas em situação de risco e vulnerabilidade social do sertão nordestino, oferecendo assistência espiritual e de saúde, além de levar conhecimento sobre a Bíblia. 

No Parque do Povo, o caminhão do Luz no Nordeste servirá de apoio no atendimento às emergências do evento, já que está estruturado com consultórios, e seu espaço cultural, chamado Mundo da Bíblia, estará aberto para visitação. 

Com palestrantes de renome internacional e nacional, o Consciência Cristã contará com um total de 93 palestras e 18 preleções, destinadas aos mais diferentes públicos. Estes números transformaram o evento no maior do gênero da América Latina. Com entrada franca, o Encontro é realizado pela Visão Nacional para a Consciência Cristã (Vinacc).

Serviço
SBB no 17º Encontro Consciência Cristã
Data: 12 a 17 de fevereiro de 2015
Local: Complexo Parque do Povo – Campina Grande – Paraíba
Informações: www.conscienciacrista.org.br 

domingo, 15 de fevereiro de 2015

As Fronteiras de SODOMA Estão Sendo Ultrapassadas?


O Senhor Jesus descreveu os tempos anteriores à Sua volta em glória como dos mais terríveis que já houve. Ele falou de um Apocalipse vindouro, que aconteceria como julgamento sobre todo o mundo, antes dEle mesmo voltar. Este tempo é descrito como semelhante aos "dias de Noé e de Ló". Os dias de Ló eram a época de Sodoma, donde procede a palavra "sodomia". Naquela sociedade as pessoas viviam inteiramente segundo suas inclinações e paixões. Elas comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam, sem se importarem com Deus. Pretendia-se estabelecer uma era de bem-estar sem Deus. Ao mesmo tempo a imoralidade tomava conta, de modo que a homossexualidade fazia parte do cotidiano (Gn 19.4-5).

Quando analisamos nossos dias, somos levados a pensar que as fronteiras de Sodoma já estão sendo ultrapassadas. Como em muitos outros países, os debates a respeito do tema têm sido muito acirrados na França:

O confronto entre a direita e a esquerda tem apresentado atualmente uma violência incomum, porque a maioria esquerdista pretende legalizar a união de casais homossexuais. Deste modo, os partidários do primeiro-ministro Lionel Jospin estão cumprindo uma promessa eleitoral. Trata-se de estabelecer um contrato para todos os casais – quer sejam homossexuais ou heterossexuais...
Apontando para Sua vinda em grande poder e glória, o Senhor Jesus disse: "O mesmo aconteceu nos dias de Ló: comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; mas, no dia em que Ló saiu de Sodoma, choveu do céu fogo e enxofre e destruiu a todos. Assim será no dia em que o Filho do Homem se manifestar" (Lc 17.28-30). Em Gênesis 18.20 lemos porque Deus castigou de tal maneira as cidades corrompidas no vale do Jordão: "Disse mais o Senhor: Com efeito, o clamor de Sodoma e Gomorra tem-se multiplicado, e o seu pecado se tem agravado muito."

Não temos a intenção de apontar o dedo friamente para nossa sociedade, pois todos nós somos pecadores necessitados de redenção. Também não pretendemos pintar um cenário de terror apocalíptico. Pelo contrário, queremos lembrar que o Senhor procura atualmente homens de oração dedicados, que se colocam na brecha (Ez 22.30), da mesma forma como Abraão o fez (Gn 18.22-33). O texto ressalta que Abraão não ameaçou nem julgou a Sodoma – e nem mesmo esperou satisfeito pelo julgamento ameaçador de Deus. Pelo contrário, ele colocou-se diante do Senhor e intercedeu por Sodoma e Gomorra.

Mas, naturalmente também é preciso falar a verdade com clareza, mesmo que não se queira mais ouvi-la e sob o risco de sermos acusados de fanáticos fundamentalistas. O Senhor Jesus Cristo, que morreu na cruz como um criminoso, sem ter cometido pecado, tomou nossos pecados sobre si para que nós – libertos de toda culpa – possamos tornar-nos participantes do reino de Deus. Quem, entretanto, fecha a porta do seu coração para o Senhor Jesus, rejeita a oferta de Deus de completo perdão dos pecados e, assim, exclui a si mesmo do reino de Deus. Aquele, porém, que entrega sua própria vida e a deposita aos pés de Jesus, vai recebê-la. Foi o que o próprio Senhor disse com relação à mulher de Ló:"Quem quiser preservar a sua própria vida perdê-la-á; e quem a perder, de fato a salvará" (Lc 17.33). (Norbert Liethhttp://www.chamada.com.br)

Norbert Lieth É Diretor da Chamada da Meia-Noite Internacional. Suas mensagens têm como tema central a Palavra Profética. Logo após sua conversão, estudou em nossa Escola Bíblica e ficou no Uruguai até concluí-la. Por alguns anos trabalhou como missionário em nossa Obra na Bolívia e depois iniciou a divulgação da nossa literatura na Venezuela, onde permaneceu até 1985. Nesse ano, voltou à Suíça e é o principal preletor em nossas conferências na Europa. É autor de vários livros publicados em alemão, português e espanhol.

FONTE: Chamada da Meia-Noite

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Desastre nuclear ou pecado - o que é mais perigoso?


Norbert Lieth
Muitas pessoas, preocupadas com a preservação do meio ambiente, temem que um dia "o mundo possa acabar" por causa de um desastre nuclear. Na Alemanha, por exemplo, está sendo realizado um plano de desativação das usinas atômicas. Entretanto, os perigos que realmente ameaçam nosso mundo são o pecado e o afastamento cada vez maior do Criador. O mais profundo sofrimento da humanidade não ocorrerá por causa da explosão de algum reator nuclear, mas devido aos vindouros juízos de Deus.
Isso não significa que devemos ser cidadãos irresponsáveis com relação ao meio ambiente. É preciso evitar tudo que possa prejudicá-lo, pois somos responsáveis pela criação. Entretanto, hoje em dia, as prioridades estão sendo claramente invertidas e as verdadeiras razões das aflições da humanidade não são levadas em consideração. As maiores catástrofes da história mundial foram conseqüência da obstinada persistência no pecado. O Dilúvio não foi provocado por fatores de desequilíbrio ambiental, mas porque "a terra estava corrompida à vista de Deus e cheia de violência" (Gn 6.11) e Ele resolveu "dar cabo de toda carne" (v. 13). Sodoma e Gomorra não desapareceram por causa de um desastre nuclear, mas devido aos pecados abomináveis cometidos nessas cidades, que foram julgadas conforme a vontade de Deus. Também no futuro, o maior perigo não virá de reatores nucleares, mas da potência explosiva do pecado.
Vamos lembrar quatro coisas que são mais perigosas do que qualquer ameaça nuclear:
1. A crescente injustiça, a negação de que Deus é o Criador e a Sua exclusão da vida da sociedade humana trazem consigo a degeneração dos homens: "A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela injustiça; porquanto o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis; porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato" (Rm 1.18-21).
2. A negação de Jesus como o Filho de Deus ressuscitado dentre os mortos, como a Verdade absoluta, e a rejeição da salvação através dEle provocam o acúmulo de uma "força atômica" espiritual que Satanás vai liberar através do Anticristo: "então, será, de fato, revelado o iníquo, a quem o Senhor Jesus matará com o sopro de sua boca e o destruirá pela manifestação de sua vinda. Ora, o aparecimento do iníquo é segundo a eficácia de Satanás, com todo poder, e sinais, e prodígios da mentira, e com todo engano de injustiça aos que perecem, porque não acolheram o amor da verdade para serem salvos" (2 Ts 2.8-10).
3. O constante aumento da maldade, a perda de qualquer padrão moral, a quebra de todas as leis e o amortecimento das consciências prejudicam mais o meio ambiente do que todos os reatores nucleares juntos. O profeta Oséias já escreveu: "O que só prevalece é perjurar, mentir, matar, furtar e adulterar, e há arrombamentos e homicídios sobre homicídios. Por isso, a terra está de luto, e todo o que mora nela desfalece, com os animais do campo e com as aves do céu; e até os peixes do mar perecem. Todavia, ninguém contenda, ninguém repreenda; porque o teu povo é como os sacerdotes aos quais acusa" (Os 4.2-4).
4. A crescente oposição mundial ao povo judeu e ao seu direito à terra de Israel, representa um perigo maior para o mundo do que qualquer ameaça nuclear. Deus disse: "Congregarei todas as nações e as farei descer ao vale de Josafá; e ali entrarei em juízo contra elas por causa do meu povo e da minha herança, Israel, a quem elas espalharam por entre os povos, repartindo a minha terra entre si" (Jl 3.2). "E, com grande indignação, estou irado contra as nações que vivem confiantes; porque eu estava um pouco indignado, e elas agravaram o mal" (Zc 1.15).
A busca pessoal por Jesus Cristo, entretanto, liberta-nos do medo que domina o mundo. Ele nos oferece abrigo e segurança para o futuro. Devemos lembrar que a terra não está entregue a si mesma, nem ao acaso, mas se encontra nas mãos dAquele que sustenta todas as coisas pela palavra do Seu poder: Cristo. É o que Paulo diz em Hebreus 1.3: "Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas". (Norbert Lieth - http://www.chamada.com.br)